Comunicação

23 de junho de 2017 | 14:42

Sintego cobra da SME de Goiânia devolução do corte de ponto dos servidores

 

“Não podemos deixar a categoria ser penalizada e ficar sem salário”, argumentou a presidenta do Sintego Bia de Lima, durante reunião na manhã desta sexta-feira 23, entre a direção central do Sintego e o secretário municipal de Educação de Goiânia, Marcelo Ferreira, que discutiu o corte de ponto dos servidores municipais em decorrência da última greve que não foi chamada pelo Sintego.

De acordo com Bia de Lima muitos trabalhadores da rede municipal de educação ficaram sem receber salários, enquanto outros, receberam apenas parte dos rendimentos devido ao corte de pontos feito pela Prefeitura de Goiânia.

“Recebemos muitas solicitações da categoria pedindo para o que Sintego intervisse em favor destes trabalhadores e solucionasse o corte de ponto realizado na folha de maio. Infelizmente muitos trabalhadores da rede municipal entraram em uma greve que o Sintego considerou desnecessária, em virtude do diálogo que o Sintego e a SME vinham construindo na solução da pauta. Independente disto, entendemos o direito legitimo dos trabalhadores de receber seus salários, até porque, todos tem obrigações a serem pagas, assim como compreendemos o dever de reposição dos dias, para que nossos alunos não sejam prejudicados. Neste sentido, estamos buscando um consenso com a SME para que devolva os salários cortados”, defendeu.

Em resposta a solicitação feita pelo Sintego o secretário de Educação do município de Goiânia, aceitou rever o corte dos pontos mediante calendário de reposição. O Sintego continuará cobrando que os direitos dos trabalhadores em educação de Goiânia sejam respeitados, papel este, que o Sindicato sempre lutou e continuará defendendo.

Participaram da reunião o vice-presidente do Sintego Roberto Borges, a tesoureira Ieda Leal, a secretária Geral, Ludmylla da Silva Morais e o secretário de Imprensa Napoleão Batista.




Imprimir