Comunicação

07 de março de 2019 | 17:15

Repasse de R$ 28,6 milhões para a Educação é aprovado em primeira votação

 

Foi aprovado, em primeira votação, na tarde desta quinta-feira (7), no Plenário da Assembleia Legislativa de Goiás (Alego), o projeto de lei que autoriza o Poder Executivo a abrir crédito especial no valor de R$ 28.691.087,16, em favor da Secretaria de Estado da Educação (Seduce). O dinheiro será usado para pagar uma nova remessa do salário de dezembros aos/as trabalhadores/as da Educação. A matéria, protocolada com n° 815/19, aguarda segunda e definitiva votação, prevista para terça-feira (12).


 
De acordo com a Seduce, o recurso a ser votado é proveniente do fundo de manutenção das escolas em tempo integral, enviados pelo Governo Federal, e serão utilizados para pagar a folha atrasada dos/as professores/as que atuam nessas escolas. “O pleito viabilizar-se-á à conta de recursos decorrente de superávit financeiro apurado em balanço patrimonial do exercício anterior, e anulação parcial de dotações orçamentárias, em conformidade com o disposto no artigo 43, S 1°, incisos I e 111, da Lei Federal n° 4.320, de 17 de março de 1964”, diz o projeto.

 

“Com esta verba será possível pagar mais uma remessa de dezembro. Ainda não sabemos com exatidão a faixa salarial a ser atingida, mas continuaremos cobrando. Precisamos ressaltar que a categoria da Educação não entra no escalonamento que está circulando nas redes, que vai de março até julho. Estamos recebendo de forma difícil, mas 44% da categoria já recebeu. O SINTEGO está buscando resolver o problema e trabalha de forma firme junto ao governo para resolver este problema neste mês, inclusive os aposentados!”, disse a presidenta do SINTEGO, Bia de Lima, que esteve hoje (07), pela manhã, com membros do Fórum Estadual em Defesa dos Serviços e Servidores Públicos de Goiás. 

 

Em audiência com o secretário de Governo, Ernesto Roller, Bia buscou discutir a questão do parcelamento de salários e o não pagamento dos aposentados, questões que afligem a todos. “Estamos buscando colocar os demais que não receberam dentro do primeiro escalonamento do governo que vai de março a julho, assim finalizaremos agora em março todo salário de dezembro da Educação. Estamos atentos e continuaremos cobrando até que todos estejam com seus salários em dias!”, afirmou a presidenta do SINTEGO, Bia de Lima.


O SINTEGO acompanhará a votação na Alego e continuará cobrando o pagamento de dezembro até que esteja completamente quitado, incluindo os/as aposentados/as!




Imprimir