Comunicação

09 de abril de 2019 | 17:34

Novo ministro da Educação, Abrahan Weintraub, indica o aprofundamento das políticas de mercantilização e privatização da educação no país

NOTA PÚBLICA

Novo ministro da Educação, Abrahan Weintraub, indica o aprofundamento das políticas de mercantilização e privatização da educação no país
 
Já era esperada a queda do ex-ministro Ricardo Vélez Rodriguez. O colombiano naturalizado brasileiro, escolhido a dedo pelo guru e mentor de expressivos segmentos do governo de Jair Bolsonaro, Olavo de Carvalho, se mostrou fraco e incompetente para gerir um dos maiores orçamentos da Esplanada dos Ministérios. Em pouco mais de três meses no cargo, Vélez demonstrou absoluto despreparo nos temas afins à sua atribuição, escancarando o seu desconhecimento sobre as políticas educacionais necessárias ao país. Sua participação na audiência pública da Comissão de Educação da Câmara Federal, no último dia 27 de março, foi a pá de cal sobre sua breve e patética gestão, que se esforçou o quanto pôde somente em executar a política de militarização das escolas, sua verdadeira obsessão enquanto foi ministro.


O novo ministro, também indicado por Olavo de Carvalho, é um homem advindo do mercado financeiro. Abrahan Weintraub também não conhece os temas da educação, mas ao contrário de Vélez, se coloca como um agente mais apto para dar consecução às políticas de mercantilização e privatização da educação brasileira, fazendo jus à sua trajetória profissional de economista, marcada por passagens por bancos e corretoras. Talvez o que mais possa parecer com o seu antecessor, como de resto é a marca mesmo de grande parte dos novos ocupantes desse governo, é o tom xucro e vulgar desses que ora ocupam a Esplanada dos Ministérios em Brasília. Exatamente à imagem e semelhança do atual presidente da República, o atual ministro também assume como predileção em sua oratória falas de conteúdo agressivo com seus interlocutores, além de propagar as sandices que já viraram marca desse governo, em especial quando se mostra obcecado em combater o suposto “marxismo cultural” que, segundo o próprio, tomou conta do ambiente educacional.


 Por mais de uma vez, o gestor que hoje ocupa o cargo de Ministro da Educação desqualificou pensamentos políticos diferentes dos seus, incitando em palestra gravada e amplamente divulgada nas redes sociais que, ao se deparar com alguém de esquerda (comunista ou socialista, em suas palavras), faça xingamentos contra essa pessoa. Em outra oportunidade, ele defendeu que universidades de alguns lugares não podem oferecer cursos de sociologia ou filosofia. É esse o nível do atual ministro da Educação do Brasil. Indigência política e moral, além de incontinência verbal, são marcas cada vez mais comuns dos atuais gestores federais no Brasil, sob a égide desse governo Bolsonaro.


 Mas tudo isso fica pequeno diante do projeto privatista e mercantil que o atual ministro incorpora e defende para educação. Como homem de mercado que é, esse ministro revela a opção política desse governo para a educação brasileira. O objetivo, agora, mais do que nunca, é a mercantilização e privatização da educação, fomentando o ralo do orçamento público para mãos privadas. O atual mandatário do MEC, além de manter as políticas de militarização e de combate ideológico à esquerda, será fiador das políticas que irão repassar o dinheiro público da educação para grupos nacionais e internacionais do “mercado educação”. E contra isso centraremos nossas forças para permanentemente denunciar e barrar esse processo que, não nos iludamos, não será nada parecido como a privatização de uma empresa pública em um leilão ou pregão da Bolsa de Valores. A privatização da educação, como bem já denunciamos em várias oportunidades, quase sempre é precedida de processos de mercantilização, lentos e graduais, que muitas vezes se passam de forma despercebida para a maioria das pessoas. Assim se fará com nossa educação pública. Mas isso não se dará sem muita luta e resistência de todos/as os/as trabalhadores/as em educação deste país. Barraremos esse projeto privatista e entreguista do governo Bolsonaro!


Brasília, 09 de abril de 2019
Direção Executiva da CNTE




Imprimir