Comunicação

09 de julho de 2019 | 16:28

SINTEGO INFORMA: usuários/as do Ipasgo devem passar por recadastramento

Após a Operação Morfina da Polícia Civil que apontou fraudes e irregularidades no Instituto de Assistência dos Servidores Públicos do Estado de Goiás (Ipasgo), todos/as os/as usuários/as devem passar por um recadastramento para atualizar os dados e organizar as informações. De acordo com informações do jornal O Popular, um cruzamento de informações, em uma amostragem do banco de dados com todos/as os/as 625 mil pacientes do plano de saúde, revelou que entre 10% e 15% deles estão inseridos de forma irregular no sistema. 

Segundo a atual gestão do Ipasgo, há casos de crianças titulares do plano de saúde, titulares com mais de 100 anos de idade e titulares com mais de 40 beneficiários ligados a ele/a. Em nota, o Ipasgo afirmou que está sendo realizado um estudo técnico para a execução do processo de recadastramento e que ele já estava no planejamento da nova gestão. Ainda conforme a nota, os/as usuários/as serão informados previamente sobre o período do procedimento. 

“Nós, funcionários/as públicos/as, exigimos uma apuração exemplar dessas fraudes, pois o dinheiro do/a servidor/a é sofrido e não é justo que depois venham cobrar de novo dos/as que pagam seus compromissos em dias. O recadastramento é necessário para que comecem a desvendar todas as irregularidades. Este aumento de 21,56% não pode ser uma forma de pagar por erros, já que os recursos pagos pelos/as servidores/as foram desviados por falcatruas, superfaturamentos, etc. Segundo a polícia, o prejuízo do IPASGO ultrapassa os R$ 500 milhões de reais, e agora querem que os/as servidores/as paguem por isso, é inadmissível, não dá!”, afirmou a presidenta do SINTEGO, Bia de Lima.

Os/as servidores/as públicos/as não devem ser penalizados/as pela ação dos criminosos que prejudicaram o Ipasgo, que é patrimônio dos/as trabalhadores/as. O SINTEGO seguirá atento as investigações.

#SINTEGONALUTA




Imprimir