Comunicação

24 de março de 2020 | 10:48

Em defesa da vida, SINTEGO entra com representação no MPGO para fechamento de escolas da rede estadual

(Foto/Reprodução)

Sob o número de manifestação 176741032020-7, o SINTEGO apresentou uma representação na Ouvidoria do Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO), para que a Secretaria de Estado de Educação de Goiás determine medidas efetivas para a quarentena dos/as agentes administrativos/as educacionais que trabalham nas escolas públicas estaduais.

De acordo com a orientação da SEDUC, "a paralisação, no entanto, não significa que as escolas estarão fechadas neste período. Nas unidades educacionais permanecerão, em regime de revezamento, os servidores administrativos e os diretores. A equipe ficará nas escolas para receber e orientar a comunidade sobre a melhor forma de evitar o contágio e a disseminação do Covid-19".

O SINTEGO entende que a SEDUC caminha na contramão às orientações do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde (OMS), no sentido de evitar aglomerações, já que determinou a disponibilidade de atendimento das escolas sem observar: a higienização do local, que neste momento deve ser ainda mais rigorosa; o uso do transporte público pelos/as funcionários/as; a disponibilização de lenços e dispensadores de álcool-gel; além de cartazes informativos sobre o novo vírus.

Conforme argumento da representação, o Estado, ao optar por manter as escolas abertas, deixou de verificar todas essas orientações da OMS. Manter as escolas públicas abertas é um contrassenso e vai ao desencontro das medidas adotadas para o combate a disseminação do Coronavírus.

O SINTEGO representa estes/as trabalhadores/as e se preocupa com a categoria que se vê exposta aos efeitos da pandemia enfrentada pelo mundo. Nesse momento, é extremamente necessário o fechamento das unidades escolares da rede pública estadual.

"Pedimos o deferimento do MPGO, para que com seus poderes constitucionais, saia em defesa da sociedade e determine ao Estado o fechamento total das unidades escolares de ensino em Goiás, a fim de que os/as trabalhadores/as administrativos/as das escolas contribuam com a não disseminação da pandemia se mantendo em casa", afirma a presidente do SINTEGO, Bia de Lima.

#SINTEGONALUTA




Imprimir