Comunicação

13 de novembro de 2020 | 11:09

Decreto de Iris autoriza aulas presenciais em todos os níveis em Goiânia; SINTEGO segue contrário 

Após o governo estadual delegar aos municípios as particularidades da permissão de volta às aulas, o prefeito de Goiânia Iris Rezende (MDB) assinou decreto, nesta quarta-feira (11), autorizando a retomada das aulas presenciais na capital em todos os níveis, nas instituições públicas e privadas. 

Apesar do retorno presencial não ser obrigatório, as instituições que optarem pela volta deverão atender às regras impostas pelas notas técnicas, entre elas o uso obrigatório de máscaras, aferição de temperatura, distanciamento das carteiras e prioridade de atividades em ambientes abertos e ventilados. Segundo o documento, a retomada fica condicionada à adoção de medidas sanitárias. 

As aulas presenciais estavam suspensas, em Goiânia, desde o mês de março deste ano, quando foi declarada a pandemia do coronavírus na cidade. No entanto, o SINTEGO destaca que estamos a 36 dias do fim do ano letivo de 2020, ou seja, não há explicação coerente para o retorno neste momento, principalmente, pela falta de preparação das unidades escolares da rede pública de ensino.

Até o momento, a Secretaria Municipal de Educação de Goiânia (SME) não definiu uma data de retorno presencial para os Centro Municipais de Educação Infantil (Cmeis), grande parte por pressão do SINTEGO que tem se posicionado veementemente contrário a retomada das atividades nas escolas no âmbito municipal, bem como estadual. 

"Não é possível que se coloque a vida dos profissionais, crianças e familiares em risco. A volta deve ocorrer só quando houver segurança para todos/as. Do ponto de vista pedagógico em nada vai resolver voltar as aulas neste momento em que faltam pouco mais que de 30 dias para fechar o ano letivo", afirma a presidente do SINTEGO, professora Bia de Lima.

O SINTEGO insiste: o retorno deve ser realizado somente após a garantia da vacina. A volta de forma precipitada e sem planejamento representa um grande perigo a vida de toda comunidade escolar.

#SINTEGONALUTA




Imprimir