Comunicação

22 de fevereiro de 2021 | 16:52

SINTEGO cobra suspensão imediata da prova de avaliação diagnóstica na Rede Estadual

Mesmo diante o aumento de internações por COVID-19 em Goiás, a Secretaria Estadual de Educação (SEDUC) anunciou a aplicação de uma prova de avaliação diagnóstica aos/as educandos/as da Rede Estadual, de forma presencial, com capacidade de 30% em sala de aula. Desde o anúncio, o SINTEGO vem cobrando a suspensão imediata da avaliação para a Secretária Estadual de Educação, Fátima Gavioli. 

De acordo com o boletim da Secretaria de Estado de Saúde (SES-GO), divulgado ontem (21), há 380.232 casos de doença por COVID-19 e 8.286 óbitos confirmados no território goiano. Como pensar em aplicação de provas presenciais, quando Goiás passa pela segunda onda de contaminação e escassez de leitos de UTIs?

“A situação é gravíssima, não dá para correr o risco de chamar os/as estudantes e profissionais da Educação para aplicar a prova, nesse momento. É preciso que se tenha bom senso e suspenda a avaliação diagnóstica imediatamente”, reforçou Bia de Lima, presidenta do SINTEGO. Vários/as trabalhadores/as já relataram casos de contaminação após o início das aulas ao sindicato, mesmo que os/as educandos/as não estejam frequentando presencialmente.

Recordamos que o Governo de Goiás afirmou, em nota (no dia 21/02/2021): “Entretanto, a gestão estadual defende que, para frear a disseminação do vírus e o avanço da pandemia, somente a abertura de leitos não é suficiente.  Constantemente, o governador Ronaldo Caiado reforça a necessidade do distanciamento social e do cumprimento dos protocolos de segurança sanitários por parte de toda a população”. 

Cabe a gestão estadual manter a coerência e aplicar esta defesa em todos os âmbitos da sociedade, especialmente para os/as trabalhadores/as Educação, que atuam (quando presencialmente) em um ambiente de aglomeração. Não há motivos que justifiquem colocar a vida dos/as profissionais, educandos/as, mães e pais ou responsáveis em risco.

O SINTEGO segue cobrando prioridade do Estado e municípios na aquisição e distribuição de vacinas para os/as profissionais da Educação, bem como o pagamento do PISO para todos/as (uma vez que a maior parte da categoria está sem reajustes salariais), a recomposição da tabela dos/as administrativos/as e a retirada do desconto de 14,25% dos/as aposentados/as.

#SINTEGOnaluta




Imprimir