Notícias

08 de agosto de 2018 | 08:30

Assembleia unificada dos servidores municipais decide por greve por período determinado nos dias 15 e 16 de agosto

Em assembleia unificada, realizada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Goiás (SINTEGO) e as entidades representativas dos servidores municipais, hoje de manhã, foi definido, entre os trabalhadores de todas as categorias do município de Goiânia, por Greve Geral dos Servidores Municiais de Goiânia de período determinado, que acontecerá nos dias 15 e 16 de agosto, com a finalidade de pressionar o Governo Municipal e acompanhar na Câmara Municipal de Goiânia o andamento do Projeto de Reforma do Instituto de Previdência dos Servidores Municipais (IPSM).

Desde que a Prefeitura reencaminhou o Projeto de Reforma do IPSM, o SINTEGO e as entidades que compõem o Fórum dos Servidores Municipais de Goiânia se mantêm vigilantes para que ela não prejudique o trabalhador. Por isso, na Assembleia de hoje foi deliberado que o Projeto de Lei, que está na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara Municipal de Goiânia, contenham as emendas propostas pelo Conselho Municipal de Assistência Previdenciária (CMAP) que na perspectiva dos dirigentes do Fórum dos Servidores Municipais torna o projeto mais razoável. Para impedir que se vote o projeto sem as emendas, as mobilizações na Câmara Municipal de Goiânia já começam amanhã (08).

Outra reivindicação dos servidores, aprovada na Assembleia, foi a não aceitação a vinculação da discussão da previdência com as reivindicações de Data-Base. Por isso, os trabalhadores na assembleia pediram que a Prefeitura apresente na Câmara Municipal de Goiânia, o Projeto de Lei de reajuste dos servidores municipais, contendo os reajustes da Data-base dos Administrativos (2017-2018) e do Piso dos Professores, respeitando os direitos previstos em lei.

Para a presidenta do SINTEGO, Bia de Lima, a mobilização dos servidores municipais, nesses dois dias, em que foram agendadas as greves, é de fundamental importância para garantia de direitos dos trabalhadores do município.

“Nós temos duas preocupações. A primeira é para agora, que possam ser realizados os pagamentos os reajustes dos servidores, com o pagamento da Data-base e do Piso dos Professores. A segunda é com o nosso futuro, queremos segurança aos servidores, que o IPSM mantenha condições de garantir aposentarias e pensões,” afirmou a presidenta do SINTEGO, Bia de Lima.

O SINTEGO, no seu site e em suas redes socias, manterá informada a categoria sobre a organização das mobilizações do dia 15 e 16 de agosto e sobre as próximas ações referente a essa decisão de Greve.