Notícias

05 de dezembro de 2018 | 07:35

SINTEGO faz Mobilização pelos/as Trabalhadores/as dos ITEGOS em Goiás

Durante toda a tarde de ontem (04/12/2018) na Assembleia Legislativa de Goiás (ALEGO) os profissionais (administrativos/as e professores/as) que atuam nos Institutos Tecnológicos de Goiás (ITEGOs) e o Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Goiás (SINTEGO) realizaram  um ato para denunciar a situação em que se encontram:  atrasos de salários, ameaças de demissões e falta de pagamentos de direitos trabalhistas. 

O ato permitiu que diversas ações fossem realizadas concomitantemente. Enquanto os/as professores/as e alunos do ITEGO em Artes Basileu França realizavam apresentações artísticas, outras comissões, junto a diretores do SINTEGO, visitaram os gabinetes dos deputados estaduais para informá-los e pedir apoio frente a situação. Posteriormente, os profissionais ocuparam o que plenário da Casa cobrando uma posição. Durante as falas os  deputados se comprometeram em buscar resolver as situações dos profissionais que  atuam na rede ITEGO.

Conversando com cada parlamentar, a presidenta do SINTEGO, professora Bia de Lima, saiu da Casa com o compromisso dos parlamentares de ajudar na interlocução com o governo e ainda, incluir no orçamento impositivo (Lei que está em debate na ALEGO), a destinação de recursos para o pagamento dos  profissionais. 

Em seguida a professora Bia levou os informes da atuação do SINTEGO na defesa dos profissionais do Basileu e de todos os profissionais em Educação dos ITEGOS de Goiás, 

“Na questão judicial, o SINTEGO protocolou ação civil pública na defesa dos profissionais que atuam pela OS REGER e, nesta ação, o juiz já pediu parecer do Ministério Público, que por sua vez, está convocando os responsáveis pela OS e SED para prestar esclarecimentos. Vemos isso como uma forma a mais de pressão na defesa dos diretos dos/as trabalhadores/as. Quanto aos que trabalham para CEGECON, o SINTEGO chamará, em breve, nova assembleia para deliberar sobre  a ação e representação junto ao Ministério Público, para cobrar uma profunda fiscalização sobre os contratos e valores cobrados pelas OSs ao governo de Goiás. Não dá para os/as trabalhadores/as ficarem numa situação de penúria e sofrimento com os salários atrasados, enquanto outros lucram ganhando altos salários sem nem trabalhar... Esta situação tem que acabar,” informou Bia de Lima.

Saiba mais...

Os ITEGOS são de responsabilidade da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Científico e Tecnológico e de Agricultura Pecuária e Irrigação (SED) que terceirou a gestão deles à Organizações Sociais. Ao Centro de Gestão e Educação Continuada (CEGECON) coube a gestão dos ITEGOS Basileu França, em Goiânia, ITEGO Goiandira Alves do Couto, na Cidade de Goiás, ITEGO Jerônimo Carlos do Prado, em Goiatuba e o ITEGO Wilson Cavalcante Nogueira, em Piracanjuba, além dos Cotegs em Senador Canedo, Itumbiara, Bela Vista, Inhumas, Itaberaí, Morrinhos e Pontalina. Ao Instituto de Educação Cultura e Tecnologia (REGER) foi terceirizada a administração dos ITEGOS Agnaldo de Campos Netto, ITEGO em Artes Labibe Faiad e ITEGO Professor Antônio Salles, todos os três em Catalão e o ITEGO Governador Onofre Quinan em Anápolis.  No final deste ano, a SED não disponibilizou os recursos para pagarem os profissionais que atuam nestes centros de Educação, daí os profissionais que atuam pela REGER estão  há  3 meses sem receber salários, os que prestam serviços à CEGECOM estão há 2 meses sem salário. 

A Regional do SINTEGO de Caldas Novas, trouxe para o Ato  os profissionais que atuam na COTEC no município. A regional do Sintego em Catalão trouxe um ônibus com Profissionais e alunos do ITEGO daquela cidade. O Itego Basileu França foi responsável pela expressiva participação e garantiu as apresentações culturais no ato, que contou com uma ampla cobertura de vários veículos de comunicação.