Notícias

15 de dezembro de 2020 | 17:36

Retrocesso: Governo Caiado persegue sindicalistas e prejudica classe trabalhadora

Tramita na Assembleia Legislativa de Goiás (Alego) o processo legislativo 2020005372, que altera o Estatuto do Magistério e o Regime Jurídico Único do Servidor Público, na qual o Governo de Goiás ataca frontalmente os sindicatos e destrói os direitos dos/as dirigentes sindicais. 

Pelo segundo ano consecutivo, o governador Ronaldo Caiado realiza manobras desumanas às vésperas das festividades do Natal, com um claro objetivo: enfraquecer a classe trabalhadora, desmobilizar as entidades sindicais e dar continuidade ao projeto do Governo Federal de destruição do serviço público. 

O projeto retira a remuneração dos/as professores/as licenciados/as para o desempenho de mandato sindical, confederação, federação, associação de classe de âmbito estadual e sindicato representativo da categoria do magistério público, no âmbito estadual ou nacional. Além disso, retira esses/as profissionais da Assistência à Saúde e à Previdência, ou seja, o/a trabalhador/a pode ficar desamparado/a sem Ipasgo e sem contribuição à GoiasPrev, uma clara perseguição as entidades representativas dos/as trabalhadores/as.  

O SINTEGO destaca que essa é mais uma medida arbitrária e desumana do Governo Caiado! Ressaltamos que isso não é uma questão orçamentária para o Executivo goiano e, sim, política. No ano passado, a administração estadual já havia reduzido o número de dirigentes à disposição e, agora, retira a remuneração destas pessoas, prejudicando e destruindo a vida dos/as dirigentes sindicais, que se dedicam as categorias que representam.

“Ao tirar a remuneração do/a dirigente, o governador nos impossibilita de ter plano de saúde e previdência, isso é uma maldade. Esse ataque é frontal aos sindicatos que tem atuado fortemente contra as ações desse Governo autoritário, que faz uma propaganda de maravilhas e, no entanto, manobra contra os/as próprios/as servidores/as a todo tempo”, declara a presidenta do SINTEGO, professora Bia de Lima. 

Reforçamos que nossa luta é legítima, embasada, sempre em busca da garantida dos direitos dos/as trabalhadores/as da Educação e seguiremos assim! Não aceitaremos tamanho retrocesso trabalhista e contamos com o apoio de toda a categoria para que as entidades representativas de classe não sejam destruídas! O SINTEGO É RESISTÊNCIA!

#SINTEGONALUTA